Azedou meu coração…

Estou sempre dentro de aviões. Praticamente todos os dias. Essa é uma característica do meu trabalho, como palestrante que se apresenta em todos (eu disse todos) os estados do Brasil e em alguns outros países, como Japão e Estados Unidos.

Mau_Humor
Viajar, para mim, embora seja praticamente uma rotina, é algo que me deixa feliz e animado. Estou indo fazer o que mais gosto: falar para pessoas que vão se divertir e se emocionar junto comigo, então cada viagem é um motivo de alegria. Aliás, seria mais normal que as pessoas se mostrassem felizes quando viajam, pelo menos os turistas.

Porém, sempre que entro no avião, vou olhando o rosto dos passageiros e percebo que todos (ou quase todos) estão de cara fechada. O mau humor é geral.

Não só nos aviões. Outro dia, em Brasília, entrei num elevador lotado, onde havia umas 15 pessoas, e percebi que todos estavam com a cara fechada. Então eu não me contive e disse:

– Gente, se o elevador tiver uma pane e parar, todos vamos nos conhecer, como acontece nos filmes.

Ninguém riu, ninguém respondeu. Eu ia até o último andar e, chegando lá, só estava no elevador, além de mim, a ascensorista.

– Pelo jeito não gostaram – ela disse.

– E você? – perguntei.

Ela fez aquele movimento com os ombros como quem diz: “Tanto faz!”

Então me lembrei de uma frase do rei David:

“Quando o meu coração se azedou senti picadas nos meus rins.”

Esta frase (Salmo 73, versículo 21) é um recado importante que Davi deixou para todos nós.

Vamos pensar um pouco sobre esse lembrete do salmista?

Mau humor provoca doenças. Torna pesado o ambiente. Entristece e distancia as pessoas. Por outro lado, o bom humor é a menor distância entre as pessoas.

“E que motivo nós temos para rir?” – Você pode estar perguntando enquanto lê este artigo.

Quer um motivo para rir e ficar bem-humorado?

Você está vivo e lendo este meu recado. Já não basta?

Abraços do Prof. Gretz

Comente também via Facebook!

comentários

2 ideias sobre “Azedou meu coração…

  1. Jack

    Acho que o mal humor é consequência de uma vida sem autenticidade. As pessoas deixam de ser elas mesmas e passam a ser como um robô, manipuladas as vezes pela sociedade, acabam por ter uma vida emocional destruída, relacionamentos falidos, trabalho que muitas vezes não querem e nem tem habilidades para tal, pessoas que as vezes são sugadas pela família, etc…por não saberem ou não querer falar Não. Resumo disso é o que vemos…rsrs
    O mal humor só estampa um estado de espírito, que muitas vezes revela descontentamento com ela própria,por não conseguir fazer o que acha que tem que ser feito, por esperar mais das pessoas do que elas podem dar, ou simplesmente por não se julgar merecedor de ser feliz. Talvez seja essa a razão, a doença da alma atinge o corpo.

    Responder
  2. Rosineide Leandro

    Me custa acreditar que essa história seja verídica é praticamente inacreditável que alguém não conheça o professor Gretz, não tem como não se contagiar com seu entusiasmo, conheci o professor em uma de suas palestras, eu era uma ainda bem jovem, mas mesmo hoje com 41 anos, (não que o professor seja velho rs) continuo admirando e sempre esperançosa pelo novo livro que ele venha lançar. Infelizmente essas 15 pessoas perderam a maior oportunidade de suas vidas, (compartilhar alguns minutos de suas vidas ao lado de um grande homem). Não é todo dia que encontramos com um sábio. Quem me dera ter a oportunidade de encontra-lo dentro de um elevador.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Celular ou WhatsApp
(48) 9.9133.6118

Nossos Telefones
(48) 3228.0668
(48) 3228.0808

gretz@gretz.com.br

Rua Rui Barbosa, 670 • Sala 701 • 88025-301 • Florianópolis • SC